quarta-feira, 1 de março de 2017

Minhas Áreas de Atuação

Olá, meu nome é Jaciara Sampaio, sou ex-paciente bariátrica e atuo como psicóloga clínica e alimentar, com emissão laudos para a cirurgia bariátrica em Brasília-DF.

Como psicóloga atendo na minha clínica na 705 sul os pacientes que desejam:
- Terapia psicológica individual
- Tratamento de questões e transtornos alimentares
- Avaliação e emissão de laudos para a cirurgia bariátrica
- Acompanhamento psicológico dos pacientes que já realizaram a bariátrica

Leia meu Ebook sobre a Cirurgia Bariátrica.

Sou Membro da:
- SBCBM - Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica,
- IFSO – International Federation for the Surgery of Obesity
- ABESO – Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica.

Entre em contato comigo.
Me mande uma mensagem pelo Site, por Telefone ou pelo Whatsapp: (61) 8215-0616



quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

Palestras sobre Cirurgia Bariátrica

O Cirurgião Bariátrico Dr. Bruno Ottani oferece palestras gratuitas em todas as segundas quintas-feiras do mês no Centro Médico do Lago Sul sala 07, as 19h30.
Nessa quinta (12/01/2017) tive a oportunidade de participar e contar minha experiência, a próxima palestra dele será no dia 09/02/2017.
Apareçam, a palestra dele é muito boa.

.



domingo, 16 de outubro de 2016

sexta-feira, 14 de outubro de 2016

A Minha Cirurgia Bariátrica

Comecei a me interessar pelo atendimento de pacientes com questões alimentares quando eu mesma tive que enfrentar esse problema. Após alguns anos tentando perder peso, sem sucesso, comecei a buscar métodos alternativos e acabei optando pela Cirurgia Bariátrica.

Fui atendida pelo Dr. Luiz Fernando Córdova no Hospital Brasília no Lago Sul. Com a indicação médica e a decisão tomada foram necessárias diversos exames e consultas com uma equipe multidisciplinar (endocrinologista, cardiologista, pneumologista, nutricionista e psicólogo) para verificar se eu estava apta a realizar a cirurgia. Foi nessa busca por profissionais que verifiquei que poucos profissionais estavam dedicados a essa área.

A minha cirurgia foi um sucesso. 
Desde de janeiro de 2014 emagreci bastante e hoje lido bem com a alimentação e com o meu peso.

Essa experiência me marcou positivamente e ao me formar psicóloga decidi me dedicar a área de compulsão alimentar. Entrei na Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica (COESAS) e me tornei uma psicóloga interessada em ajudar as pessoas com distúrbios alimentares e em acompanhar os pacientes candidatos a realizar uma cirurgia bariátrica.

Trabalhando na área alimentar eu me encontrei profissionalmente e até escrevi um Ebook contando minha experiência como paciente e como psicóloga.

Se interessou pelo assunto? Então leia o meu o Ebook sobre a Cirurgia Bariátrica, e se precisar de uma psicóloga é só entrar em contato.

quinta-feira, 13 de outubro de 2016

“Doutora, eu só fui engordar na gravidez”


No meu consultório tenho ouvido muitos relatos como esse. Pessoas que eram até magras, mas que engordaram na gravidez e não conseguiram perder o peso depois do parto. 
Será que os quilos ganhos na gestação são realmente os mais difíceis de perder?

Durante a gravidez um ganho de peso é esperado. É recomendado ganhar 5, 10, 15Kg, dependo do seu IMC. Mas eu acho que para alguns pacientes essa recomendação para ganhar peso pode ter sido um importante fator para mudar seus comportamentos, seus sentimentos com relação à comida.

Se antes, a comida era permeada por uma relação tanto de prazer como de culpa, ao receber a recomendação para ganhar peso a relação com a comida poderia se tornar unicamente prazerosa. E após a gestação a comida poderia continuar associada apenas ao prazer sem a culpa.

Seria como se durante a gravidez libertássemos nosso ID interior para comer o que quiséssemos, e após o parto o nosso Superego não conseguisse mais restringir o ID como antes da gravidez.

Essa relação não se aplica a todos os casos. Mas, quando identificamos que um fato indesejado, como engordar, teve início após um determinado evento, como a gravidez, é importante analisar se algo dentro de nós não mudou e, se for o caso, procurar a ajuda de um psicólogo.

segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

Metas 2016

O final do ano é um bom momento para reavaliar a nossa vida. Avaliar o que está certo e o que está errado. Como podemos ser pessoas melhores no ano que vem. Um bom exercício para isso é identificar nosso objetivos e estabelecer metas para alcançá-los.

Pense um pouquinho. O que você gostaria que acontecesse em 2016? O que você pode fazer para alcançar esses objetivos? O que você pode fazer para si mesma? 
Os objetivos podem ser ambiciosos, mas os passos para alcançá-los não precisam ser.  Por exemplo:
Meu objetivo pode ser perder 5 quilos no ano que vem. E uma forma de alcançar esses objetivos pode ser reduzindo meu consumo de refrigerante e fazendo mais exercícios. Dessa forma eu estabeleço duas metas para mim mesma:
  1-      Só tomar refrigerante nos finais de semana
  2-      Fazer exercício físico pelos menos duas vezes por semana
Se eu conseguir alcançar essas duas metas que são razoáveis (as metas não podem ser muito difíceis) eu tenho grandes chances de alcançar o meu objetivo que era perder 5 quilos.

Agora, mesmo que você não consiga seguir suas metas, esse exercício continua válido porque só o fato de reconhecer o objetivo e tentar resolvê-lo já é um passo importante na direção certa.

E aí, qual é o seu objetivo para 2016? O que você pretende fazer para alcançá-lo? Deixe seu comentário.

segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

Comilanças Natalinas

Eu queria desejar aos meus pacientes e a todos que me acompanham um feliz natal e deixar um alerta: cuidado para não exagerar nas comidas de final de ano.

Nessa época é comum as pessoas comerem demais, engordarem um pouquinho, e só perceberem que precisam mudar de comportamento na virada do ano.
Não sei vocês, mas eu não vejo muita graças nas comidas natalinas. Mesmo assim, muitas pessoas comem demais nessa época. Será só por causa da comida? Em alguns casos não.

Eu acho que, em alguns casos, as pessoas comem demais como um mecanismo de reforço social da identidade do grupo, da identidade familiar.
O mecanismo é o seguinte. Imagine que você e duas amigas estão numa comemoração de final de ano. Você gostaria de comer dois docinhos, sua amiga gostaria de comer um único docinho e sua outra amiga gostaria de comer três docinhos. Mas, no final da confraternização cada uma percebe que comeu uns 15 docinhos.
A psicologia social tem evidenciado que, frequentemente, em grupos, nossas decisões não refletem a posição média dos seus membros, mas a posição mais extrema. E essa posição mais extrema serve como uma espécie de identidade para o grupo; ‘Somos as amigas que comem demais’.

Esse mecanismo também vale para os reencontros familiares do natal, no qual comer demais seria um sinal de quão importante é aquele encontro.
Portanto, cuidado com as comidas natalinas e um feliz natal pra todos.